Dismenorréia (cólica menstrual) é definida como dor pélvica pré-menstrual,

com ou sem associação com sintomas sistêmicos.

Sua incidência é de até 72% em mulheres com idade de 19 anos.

As repercussões sociais e pessoais são inúmeras, como diminuição das horas

de trabalho, presença escolar e outros.

 

Costuma aparecer algumas horas antes ou junto com a menstruação.

Geralmente toda a região do abdome fica dolorida e pode ser

acompanhada de sintomas gerais como: Enjôos, diarréia, vômitos,

cansaço, dor de cabeça, nervosismo, tonturas e até desmaios.

 

De acordo com suas causas pode ser classificada em primária ou secundária.

Considera-se dismenorréia primária os casos nos quais inexistem problemas orgânicos.

Nestes casos, o início da dor é normalmente a partir do segundo ano após a primeira

menstruação, coincidente com o início dos ciclos ovulatórios. 

 

A dismenorréia secundária tem fatores orgânicos desencadeantes, podendo se

iniciar em qualquer idade, e podemos vê-la associada a ciclos anovulatórios.

A dismenorréia primária foi bastante estudada com relação às suas causas.

 

É reconhecida sua relação com ciclos ovulatórios.

O organismo feminino para evitar uma perda excessiva de sangue que

acompanha a menstruação faz com que o útero se contraia.

Quem realiza este processo é uma substância chamada prostaglandina

que por provocar aumento das contrações do útero é responsável pela dor.

 

Por sua vez, a dismenorréia secundária pode ter como causa vários fatores,

tais como: doenças dos ovários, alterações uterinas, endometriose, hímen imperfurado,

doenças inflamatórias da pelve e uso de DIUs de cobre.

 

É necessário consultar-se com um ginecologista para estabelecer

a causa da dor e instituir o tratamento. Ao contrário do que se pensava

antigamente a cólica menstrual tem tratamentos muito eficazes que

melhoram muito a qualidade de vida da mulher.

 

O tratamento da dismenorréia primária é feito com antiinflamatórios

não hormonais. Estes medicamentos bloqueiam as prostaglandinas e,

portanto diminuem a dor. Em alguns casos o uso de anticoncepcionais

hormonais combinados são bastante úteis, havendo também a

possibilidade de seu uso contínuo e ininterrupto.

No caso da dismenorréia secundária também os antiinflamatórios podem

ser utilizados, mas é importante que a causa da cólica seja estabelecida

para se fazer o tratamento eficaz.

 

CÓLICA MENSTRUAL

Rua Dr. Antonio Cândido Vieira, 655

Centro -  Mogi das Cruzes - SP CEP 08780-030

 

Fale com o doutor: amaralgennari@ig.com.br

Telefones:

(WhatsApp) 

(11) 9 6060 09 88 

 

© 2014 por Carlos Eduardo Gennari.