Buscar
  • Carlos Eduardo Amaral Gennari

Alzheimer: nova fronteira para células-tronco do cordão umbilical

mal-de-alzheimer-alzheimer-saude-idosos-melhor-idade-joinville-1.jpg

O Governo dos Estados Unidos aprovou a liberação de recursos financeiros para a empresa americana Saneron CCL, da qual a Cryopraxis é acionista, para a execução de estudos de dose e segurança de formulação de células-tronco do sangue de cordão umbilical. Esta tecnologia, aprovada pelo U.S. FDA, poderá provar que tais células trarão benefícios a pacientes com a Doença de Alzheimer. Esta etapa é aquela imediatamente anterior à fase de uso dessa formulação em seres humanos.

A doença se caracteriza pela demência ou perda de funções cognitivas (memória, orientação, atenção e linguagem), causada pela morte de células cerebrais. As duas principais alterações que se apresentam são as placas senis decorrentes do depósito de proteína beta-amilóide, anormalmente produzida, e os emaranhados neurofibrilares, frutos da hiperfosforilação da proteína tau. Outra alteração observada é a redução do número das células nervosas (neurônios) e das ligações entre elas (sinapses), com redução progressiva do volume cerebral.

Os estudos com sangue de cordão umbilical U-Cord da Saneron apresentaram os seguintes resultados:

  • Redução das citocinas inflamatórias

  • Aumento das citocinas anti-inflamatórias

  • Redução da placa cerebral beta-amilóide

  • Redução da angiopatia amilóide cerebral

  • Melhora cognitiva

Nas fotos abaixo, em “Alzheimer cells” nota-se a presença da placa beta-amilóide, que caracteriza a Doença de Alzheimer.

O uso da formulação de sangue de cordão umbilical U-Cord, da Saneron, levou a redução dessas placas e recuperação cognitiva (healthy cells).

difference-between-healthy-alzheimer-cells.jpg

#saúde #alzheimer

7 visualizações0 comentário